• Persa Planejamento Financeiro

INVESTIMENTOS: A TEORIA DAS 8 CAIXAS

Atualizado: 1 de mar. de 2021

No artigo vamos estudar uma nova teoria sobre alocação dos seus investimentos. Há muitos métodos e teorias que encontramos nos livros e na internet, todos, na maioria das vezes, muito válidos e com conceitos sólidos.

Na Persa Planejamento Financeiro auxiliamos nossos clientes não apenas na parte orçamentária e nos demais componentes envolvidos do planejamento financeiro, como vimos no artigo anterior; mas também os auxiliamos a melhor alocar seus investimentos com base numa teoria desenvolvida por nossos especialistas, que denominamos "Teoria das 8 Caixas".

A metodologia de investimentos das 8 caixas surgiu da ideia de que antigamente as pessoas recebiam seus salários em envelopes e muitas vezes dividiam os pagamentos de suas contas também em envelopes.

Existia o envelope do supermercado, o das contas de luz e de água, o do jardineiro, o da escola das crianças e por aí vai.

Consideramos a disciplina dos envelopes bastante eficaz. Ela serviu de inspiração para esta teoria, construída com base em caixas. Quem recomenda alocação em geral o faz por meio de percentuais: X% em ações, Y% em renda fixa, Z% em dólar (e isso trataremos melhor no nosso próximo artigo). A divisão faz sentido desde que você não desobedeça às regras das caixas.

Então vamos às caixas:

CAIXA 1 - RESERVA DE EMERGÊNCIA: A primeira e mais importante caixa do investidor de sucesso é a da reserva de emergência. Esta caixa proporcionará mais tranquilidade financeira e permitirá também que o investidor seja mais ousado em seus investimentos. Num cenário em que a pessoa fique sem trabalhar ou precise ajudar um parente ou amigo, ou, num cenário bom, positivo, em que a pessoa encontre uma oportunidade de trabalho dos sonhos em outra cidade e precise se mudar às pressas; será esta caixa que ajudará em qualquer tipo de emergência. Via de regra esta caixa deve ser abastecida com 3 a 6 vezes seu custo mensal; ou seja: você calcula qual é seu orçamento mensal mínimo e multiplica por três (a seis) vezes. Esse é o dinheiro da sua reserva de emergência. Caso você trabalhe de forma autônoma, tem filhos pequenos ou algum outro fator agravante de insegurança, pode esticar mais esse valor, chegando, no limite, a 12 vezes seu custo mensal.

CONCEITO: 3 A 6 VEZES SEU CUSTO MENSAL

APLICAÇÃO: TESOURO SELIC OU SIMILAR

LIQUIDEZ: ALTA

RETORNO: BAIXO

RISCO: BAIXO

PLANOS (PRAZO): N/A

CAIXA 2 - PROTEÇÃO FINANCEIRA: A segunda caixa deverá começar a ser abastecida logo após a primeira caixa (da Reserva Financeira) estar cheia. A função desta segunda caixa será de fazer com que o investidor tenha uma proteção financeira de, no mínimo, 6 vezes o seu custo mensal. Vimos que a primeira caixa deve ser abastecida com 3 a 6 vezes o seu custo mensal, podendo chegar em determinadas e específicas situações a 12 vezes (custo mensal). Nesta segunda caixa, o ideal é que ela seja abastecida com 12 vezes o seu custo mensal, criando assim, uma perfeita blindagem contra todo e qualquer imprevisto que possa surgir. Nesta caixa, não importa qualquer momento ou condição de vida do investidor, ela deve sempre ser abastecida com 6 a 12 vezes o seu custo mensal.

CONCEITO: 6 A 12 VEZES SEU CUSTO MENSAL

APLICAÇÃO: FUNDO DE CRÉDITO PRIVADO

LIQUIDEZ: MÉDIA

RETORNO: MÉDIO

RISCO: MÉDIO

PLANOS (PRAZO): N/A

CAIXA 3 - RESERVA DE OPORTUNIDADES: A terceira caixa também deverá começar a ser abastecida somente após a primeira e a segunda caixas estiverem cheias. O objetivo desta caixa é a de se aproveitar oportunidades, em especial as de cunho financeiras. Assim, numa eventual crise ou acontecimento que venha a, por exemplo, diminuir o valor das ações, o recurso financeiro desta caixa é que deverá ser utilizado para aproveitar a baixa na cotação das ações. Pode ser usada também, e neste caso com muito cuidado com parcimônia, para aproveitar oportunidades de consumo, como liquidações momentâneas, como o Black Friday. Nesta terceira caixa, não há valor mínimo, mas deve ser um valor conforme o perfil do investidor.

CONCEITO: APROVEITAR AS OPORTUNIDADES FINANCEIRAS

APLICAÇÃO: FUNDO DI OU CDB

LIQUIDEZ: ALTA

RETORNO: BAIXO

RISCO: BAIXO

PLANOS (PRAZO): N/A

CAIXA 4 - RENDA FIXA ATIVA OU MULTIMERCADO: Esta caixa poderá começar a ser abastecida junto com a terceira caixa. O objetivo desta caixa é a de se utilizar seus recursos financeiros para custear suas metas e objetivos que foram previa definidos quanto ao seu custo e tempo. Não faz sentido investir sem ter antes um objetivo claro e bem definido. Por isso, para a realização de todas as suas metas e objetivos é vital ter uma caixa exclusiva para tanto. E a Caixa 4 é esta: custear seus planos e objetivos. Nesta quarta caixa, o valor será determinado conforme os planos e objetivos fixados e deverão ser aplicados em fundos de investimentos que ofereçam boa relação retorno/risco.

CONCEITO: UTILIZAÇÃO PARA METAS E OBJETIVOS

APLICAÇÃO: FUNDOS DE INVESTIMENTOS

LIQUIDEZ: BAIXO

RETORNO: MÉDIO

RISCO: MÉDIO

PLANOS (PRAZO): CURTO (DE 1 A 3 ANOS)

CAIXA 5 - AÇÕES: Esta caixa é a caixa mais arrojada e a mais sujeita a volatilidade. A recomendação dos especialistas é que você invista em Bolsa diretamente ou por meio de fundos de ações um dinheiro que pode ficar parado por pelo menos 3 anos (de preferência 5 anos). Pode ser que você se sinta confortável, tenha um dinheiro que pode arriscar e tenha um bom profissional como guia para fazer trading, ou seja, operar ganhos rápidos na Bolsa. Mas essa é a Bolsa para os estômagos extremamente fortes. O objetivo desta caixa é a otimizar, melhorar a rentabilidade do seu patrimônio no longo prazo; podendo ser usado para como instrumento extra da previdência privada (em conjunto com outros produtos) ou para custear planos, objetivos de longo prazo. Nesta quinta caixa, o recomendado é que nesta caixa a disponibilização dos recursos seja de 1% a 5% do patrimônio.

CONCEITO: UTILIZAÇÃO PARA METAS E OBJETIVOS + DIVIDENDOS + APOSENTADORIA

APLICAÇÃO: AÇÕES OU FUNDOS DE AÇÕES

LIQUIDEZ: BAIXO

RETORNO: ALTO

RISCO: ALTO

PLANOS (PRAZO): MÉDIO/LONGO (ACIMA DE 3 ANOS)

CAIXA 6 - FUNDOS IMOBILIÁRIOS: Esta caixa anda junto com a Caixa 5. É também uma caixa mais arrojada, mas as quotas de Fundos Imobiliários oscilam menos que as ações. Também nesta caixa a recomendação dos especialistas é que você invista neste tipo de fundo um recurso financeiro que possa ficar parado por pelo menos 3 anos (de preferência 5 anos). A função primordial desta caixa é a de gerar e ter renda passiva regular, como se fosse dono de um imóvel com um inquilino, mas sem os transtornos que este tipo de investimento em imóveis de forma direta costuma dar. Os recursos desta caixa podem ser utilizados, assim como as ações, como instrumento extra da previdência privada (em conjunto com outros produtos) ou para custear planos, objetivos de longo prazo. Nesta quinta caixa, o recomendado é que nesta caixa a disponibilização dos recursos seja de 1% a 5% do patrimônio.

CONCEITO: UTILIZAÇÃO PARA METAS E OBJETIVOS + DIVIDENDOS + APOSENTADORIA

APLICAÇÃO: FIIs

LIQUIDEZ: BAIXO

RETORNO: MÉDIO

RISCO: MÉDIO

PLANOS (PRAZO): LONGO (ACIMA DE 3 ANOS)

CAIXA 7 – ALTERNATIVOS: Esta caixa servirá para criar uma proteção do seu portfólio de investimentos, uma vez que o Dólar e o Ouro são dois produtos que costumam subir em momentos de aversão ao risco. O investimento em dólar também pode ser usado para você se preparar para uma viagem a um país em que essa moeda é utilizada. Assim você não corre o risco de uma desvalorização do real às vésperas da viagem, inviabilizando os seus planos. Percebemos que logo que surge uma crise esses ativos disparam de valor (fundo de ouro dolarizado: ganho superior a 50% em 2020, um ano de tanto estresse, por causa do cenário gerado pela pandemia do novo coronavírus. Ter ações mais uma pitadinha de ouro em dólar costuma ser o casamento perfeito. A função primordial desta caixa é a de garantir um colchão de segurança contra eventuais crises financeiras no Brasil ou no mundo.

CONCEITO: DIVERSIFICAÇÃO

APLICAÇÃO: OURO E DÓLAR

LIQUIDEZ: MÉDIO/ALTO

RETORNO: ALTO

RISCO: ALTO

PLANOS (PRAZO): LONGO (ACIMA DE 5 ANOS)

CAIXA 8 – PREVIDÊNCIA PRIVADA: Esta é uma caixa que, na verdade, dever ser composta por várias das outras: crédito privado, renda fixa ativa, multimercados, ações, fundos imobiliários, dólar, ouro. Quando você aplica na prática a Teoria das 8 Caixas, vale a pena separar essa caixa, pois é esta caixa que vai lhe proporcionar tranquilidade financeira no futuro. Aqui estamos falando dos famosos PGBLs e VGBLs, ou seja, a previdência privada aberta. Os nomes não dizem nada, mas eles têm poderosos benefícios tributários: o imposto chega a 10% depois de dez anos se você escolhe a tabela regressiva; você pode deduzir o valor aportado do seu Imposto de Renda se faz declaração completa (até 12% da sua renda bruta tributável); você não paga come-cotas se escolher um multimercado (a antecipação de imposto semestral incidente nos demais produtos do mercado); e, em alguns estados, seus sucessores não pagam imposto na transmissão. É por isso que, para o dinheiro que vai ficar mais de dez anos parado, sugiro que você avalie deixar ao menos uma parte alocada em planos de previdência (bons!).

CONCEITO: FUTURO (TRANQUILO)

APLICAÇÃO: VGBL OU PGBL

LIQUIDEZ: BAIXO

RETORNO: ALTO

RISCO: MÉDIO

PLANOS (PRAZO): LONGO (ACIMA DE 5 ANOS)

PS: Se você gostou desse artigo e quer saber mais sobre investimentos e planejamento financeiro, continue acompanhando as nossas publicações e confira também nossas postagens anteriores acessando nosso site: www.persafinancas.com


97 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo