• Persa Planejamento Financeiro

OS PRIMEIROS PASSOS PARA COMEÇAR A INVESTIR

Atualizado: 1 de mar. de 2021

Todo mundo, em algum momento de sua vida, já pensou sobre como investir seu tão suado dinheiro. E esta não é uma possiblidade distante de ninguém, uma vez existem muitas formas de investir, desde as mais acessíveis até as mais sofisticadas. E conhecer estas possibilidades e dar os primeiros passos no investimentos devem sempre ser uma prioridade da pessoa que sonha em ter uma vida confortável para si e sua família.


Importante ressaltarmos que investindo aos poucos e de forma regular, mesmo que uma quantia pequena, a riqueza vai crescendo com o passar do tempo. Além disso, existem alternativas de investimentos para todos os bolsos, níveis de conhecimento e tempo de dedicação.


Abaixo listamos, de forma direta e objetiva 5 passos para você já começar a investir, ainda que com uma pequena quantia


Passo 1: Estabeleça os seus objetivos: Por que você economizará dinheiro? Quais são suas metas e objetivos de vida? Para cada uma de suas metas e objetivos, existe uma maneira melhor (ou pior) de investir. Cada objetivo deve ter um prazo bem determinado para a sua realização, pois isso será o norte para melhor definição de seus investimentos, que podem ser classificados por horizontes temporais:


• Investimento de curto prazo: são aqueles com duração de até um ano. Para esses casos, costumam ser recomendadas aplicações com liquidez diária (muito utilizados para sua reserva de emergência). Trata-se de recursos guardados exatamente para fazer frente a imprevistos. Eles precisam estar disponíveis imediatamente, sempre.


• Investimento de médio prazo: possuem duração de um a cinco anos. São investimentos que podem ser alocados em produtos de risco moderado, com alguma volatilidade, ou que não tenham liquidez diária.


• Investimentos de longo prazo: são aqueles com prazo superior a cinco anos. Nesse caso, e conforme o perfil de risco do investidor, pode-se aplicar em ativos mais voláteis, o que implica maior risco de mercado (e também maior potencial de ganho).



2. Faça um orçamento e fixa o valor a ser investido mensalmente: primeiro de tudo faça um orçamento (nos próximos artigos trataremos dele melhor), onde você conseguirá avaliar melhor sua renda, seus gastos e, com isso, avaliará melhor a qualidade do seu consumo. Depois de estabelecer um orçamento e contabilizar de quanto poderá dispor para investir, é importante considerar esse valor como uma “despesa” na sua planilha mensal de gastos. Assim, sempre separe esse valor e o direcione para seus investimentos.



3. Descubra o seu perfil de investidor: Como você se sentiria se seus investimentos registrassem uma perda de 10% ou 20%? Analisar este tipo de situação lhe ajudará a identificar seu próprio perfil de investidor. E ele servirá como um guia para as escolhas de seus produtos financeiros mais adequados, e, além disso, lhe ajudará a evitar surpresas no futuro, uma vez que se você já consegue prever a sua própria reação diante de situações extremas e/ou adversas nos investimentos, você conseguirá ter condições de lidar melhor com elas e evitar atitudes precipitadas que muitas vezes resultam em prejuízo financeiro. As próprias instituições financeiras têm por obrigação realizar um processo conhecido como suitability, que nada mais é do que uma verificação da sua adequação aos produtos, serviços e operações financeiras conforme o perfil do investidor. Em outras palavras, tais instituições não podem oferecer investimentos sem antes checar se tais são realmente adequados para a pessoa.



4. Estude sempre sobre os investimentos: Será sempre com base nos seus estudos sobre os investimentos que você poderá definir quais aplicações financeiras lhes são as mais adequadas; e isso é fundamental, uma vez que há uma grande variedade de produtos financeiros, e cada um deles é apropriado para uma situação específica. Lembre-se sempre da palavra chave no mundo dos investimentos: diversificação; pois será ela quem lhe ajudará a mitigar os riscos das aplicações. Nunca se esqueça também de acompanhar as mudanças no cenário econômico e do mercado financeiro, pois elas também impactarão suas decisões de investimentos.



5. Abra uma conta em uma corretora: Para começar a investir bem é vital necessário ter uma conta em uma corretora de valores, pois elas são as instituições financeiras autorizadas a receber as ordens de compra ou de venda de ações dos clientes e executar as operações na B3 em nome deles. Além disso, a variedade de produtos financeiros que as corretoras disponibilizam é uma das principais vantagens em relação aos bancos. Hoje em dia as corretoras funcionam como se fosse um “shopping center” financeiro, isto é, além dos produtos que elas mesmas administram (fundos, por exemplo), oferecem aos clientes produtos de várias outras instituições financeiras. Os custos também costumam ser menores nas corretoras do que nos bancos. Para investir utilizando uma corretora, avalie bem cada qual, verificando o valor das taxas de corretagem, a facilidade de uso dos sistemas de negociação, a disponibilização de relatórios e orientações sobre investimentos, dentre outros aspectos que são muito relevantes para um bom investimento.


Gostou do artigo e quer ajuda no seu planejamento financeiro? Nós da Persa Planejamento Financeiro podemos te ajudar!


Saiba mais em: www.persafinancas.com




7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo